ogerente.com
Gestão Estratégica: Necessidade e Desafio Empresarial

 Leia Antes de Continuar: Você está visualizando uma versão antiga do Portal O Gerente.  Conheça e faça seu cadastro na Rede O Gerente, nossa rede social e de conteúdo.

 

Gestão

Estratégia
01/09/2008
Gestão Estratégica: Necessidade e Desafio Empresarial
PUBLICIDADE

O ambiente empresarial atual está cada vez mais competitivo, com desafios e exigências emergentes. Nestes últimos anos, com cenários econômicos conturbados e consumidores cada vez mais exigentes e menos tolerantes, a gestão estratégica torna-se uma ferramenta indispensável para nortear as ações de qualquer organização. O planejamento das ações empresariais parte primeiramente de uma análise dos pontos fortes e pontos fracos da empresa (fatores internos) e das oportunidades e ameaças para a organização (fatores externos). Após esta análise, devemos estabelecer a missão organizacional, que pode ser traduzida resumidamente como “a razão da existência da organização” e os objetivos gerais da mesma, quantificando e/ou qualificando os resultados esperados num período pré-determinado para o alcance destes resultados.Na próxima etapa, aproveitando a análise preliminar dos ambientes interno e externo, ocorre a formulação das estratégias levando em consideração os principais pontos a serem trabalhados para alavancar a organização. Após a elaboração e implantação destas estratégias, tornam-se necessárias atividades de controle estratégico que assegurarão o alcance dos objetivos organizacionais propostos.

Frente a este contexto organizacional, o cliente é sem dúvida o principal elemento, e pode ser tanto externo (consumidor), como interno (colaborador). E cada pessoa é única, com aspirações, necessidades, desejos e tolerâncias distintas, cabendo então a empresa identificar essas diferenças e saber trabalhar com seus clientes potenciais. È eminente a necessidade de ressaltar que tanto a qualidade dos produtos e serviços como as necessidades de encantamento e as exigências dos clientes estão em constante ascendência. Os consumidores, muitas vezes com espírito consumista, e com recursos escassos, são os responsáveis pelo giro monetário e ditam as regras e tendências mercadológicas. Portanto, é impossível elaborar um planejamento estratégico fundamentado sem trabalharmos o marketing da empresa.

Num universo cada vez mais tecnológico, são inúmeras as possibilidades de estreitar relacionamentos utilizando meios de comunicação on-line como sites diversos (estudo, grupos de discussão, relacionamentos, pesquisas, livros, compras, vendas, etc) e e-mail. Para muitas empresas, dependendo da sua atual área de atuação e/ou situação econômica, tornam-se necessárias outras ações para que consigam conhecer seu consumidor, identificar suas necessidades e possíveis formas de encantá-lo, nem que para isso seja preciso alterar certos processos organizacionais. Cada consumidor é único, e adora ser tratado como tal. A concorrência, em alguns setores massiva, proporciona uma diversidade constante de ofertas, qualidade, modelos, preços e atendimentos. Frente a esta situação, é essencial que as empresas saibam da sua real interação com o mercado, buscando a tomada de decisões estratégicas sólidas e eficazes que permitam o alcance de resultados efetivos com o intuito de desenvolver um diferencial de solidez e reconhecimento empresarial.

O planejamento estratégico é a função administrativa que busca o direcionamento da empresa visando sua interação total com o ambiente e suas variáveis, prospectando um futuro e preparando a organização para enfrentá-lo, ou em outras palavras pode ser definido como um conjunto coerente de prioridades e decisões que orientam o gerenciamento da atual situação (presente) e a construção de um futuro imaginário perante seus stakeholders. Como stakeholders entendemos todas as pessoas que grupos e entidades que interagem com a organização, englobando colaboradores, clientes, fornecedores, terceirizados, comunidade e acionistas. Não é para assustar, mas certamente é uma necessidade empresarial pela participação e influência de fatores até mesmo incontroláveis pela organização desde sua fase inicial. De qualquer forma, está lançado o desafio.

 
 
VOLTAR PARA O ÍNDICE DE COLUNAS
 
Publicidade
 
 
 
 
 
Colunista
Paulo Spinato
 
 
  Administrador, Consultor e Professor
 
 
  03
 
  01
 
  03
 
  Veja o Perfil Completo  
  Outros Artigos de sua autoria  
  Adicionar o Colunista aos Favoritos  
  Escreva para este Colunista  
  Website do Colunista  
  Citações do Colunista  
  Produtos do Colunista  






Avantta Consulting Pozati Comunicação