ogerente.com
Cores na Sinalização de Segurança

 Leia Antes de Continuar: Você está visualizando uma versão antiga do Portal O Gerente.  Conheça e faça seu cadastro na Rede O Gerente, nossa rede social e de conteúdo.

 

Produção

Produção
05/04/2009
Cores na Sinalização de Segurança
PUBLICIDADE

A cada dia que passa a busca por ambientes de trabalho mais seguros faz com que os profissionais envolvidos nesta atividade adotem as mais variadas formas de ação fugindo da utilização apenas das formas mais clássicas e básicas de atuação. Isso na prática quer dizer muitas coisas – algumas destas surgem da criatividade e conforme a necessidade da realidade das organizações – outras são, na verdade, antigas técnicas da prevenção que vão sendo redescobertas e readequadas aos tempos atuais. 

Em meio a tudo isso ocorre a mudança na forma de ver a prevenção que para muitos deixa de ser algo a ser feito apenas a partir da conscientização e passa a ser algo que pode chegar as pessoas por mais de um sentido e diga-se de passagem o mais poderoso deles – a visão. 

Segundo os especialistas no assunto, dos cincos sentidos, a visão humana é a que provê o maior número de informações a serem processadas pelo cérebro. Estima-se que metade do potencial de processamento cerebral humano seja utilizada para lidar com informações visuais e sabe-se também que o ser humano é um animal predominantemente visual. Sabe-se também que tal processo ocorre de forma extremamente rápida e em condições bastante favoráveis, por exemplo, uma pessoa com acuidade visual normal é capaz de identificar uma letra a uma distância 700 vezes maior que a altura da mesma (860 vezes a distâncias muito pequenas). Ou seja, uma letra de um centímetro a uma distância de 7 metros, ou letras de 2 mm  a uma distância de 1,40 metro.

Por estas entre outras tantas razões a questão da sinalização como ferramenta para a prevenção é de suma importância para o sucesso de qualquer programa de segurança que tenha como objetivo alcançar melhores resultados.  Embora, em muitas organizações a prática de utilizar as cores em prol da prevenção não seja ainda uma realidade, desde muito ela é prevista por meio da Norma Regulamentadora nº 26.

Na própria NR-26 está claro que devem ser adotadas cores para segurança em estabelecimentos ou locais de trabalho, a fim de indicar e advertir acerca dos riscos existentes. Na mesma norma estão definidas as cores que devem ser usadas nos locais de trabalho para prevenção de acidentes, identificando os equipamentos de segurança, delimitando áreas, identificando as canalizações empregadas nas indústrias para a condução de líquidos e gases e advertindo contra riscos. O que a norma não diz, mas quem atua em prevenção sabe – ou deveria saber – e que o uso das cores em muitos casos é essencial por permitir a rápida identificação, por exemplo, de determinados produtos químicos em tubulações possibilitando assim reações em tempo hábil diante de emergências ou ainda – que a utilização das cores é uma forma bastante eficaz de trabalhar com grupos de trabalhadores com dificuldades para leitura – sendo a identificação e compreensão da situação quase que imediata nestes casos.

Usar cores como meio para prevenção deve ser algo criterioso. O uso sem critérios pode criar mais confusão do que prevenção. Além disso, deve haver preocupação e cuidados com as questões da fadiga visual ou outras situações que causem desconforto ou confusão aos trabalhadores.

Uma preocupação essencial para que a utilização dê o resultado desejado e mais do que isso para que a prática seja perene – é o desenvolvimento de um Programa de Sinalização para Segurança e Saúde no Trabalho.

Um bom programa com certeza irá contemplar não só a existência de procedimentos escritos formalizando e transferindo da NR 26 para a gestão da organização a prática da sinalização de segurança, mas também as responsabilidades e muito especialmente os treinamentos a serem feitos visando à conscientização dos envolvidos quanto à necessidade e importância do assunto e também dos usuários em geral quanto ao reconhecimento das cores. Dentro deste mesmo programa deve ser prevista uma fase de reconhecimento das instalações feita pela Segurança do Trabalho, que por dever de ofício conhece a NR-26 – ou preferencialmente por uma equipe treinada para esta finalidade que faça um levantamento das máquinas, equipamentos e instalações e defina de forma padronizada as cores a serem adotadas, sendo que as possíveis dúvidas que certamente irá surgir deverão ser dirimidas antes do início das pinturas.

Vale lembrar que o programa deve estar em conformidade com a NR-26 e assim entre outras coisas o corpo das máquinas deverá ser pintado em branco, preto ou verde, as canalizações industriais para condução de líquidos e gases, deverão receber a aplicação de cores, em toda sua extensão, a canalização de água potável deverá ser diferenciada das demais. Quando houver a necessidade de uma identificação mais detalhada (concentração, temperatura, pressões, pureza etc.), a diferenciação deve ser feita por meio de faixas de cores diferentes, aplicadas sobre a cor básica sendo que a identificação por meio de faixas deverá ser feita de modo que possibilite facilmente a sua visualização em qualquer parte da canalização.  Todos os acessórios das tubulações serão pintados nas cores básicas de acordo com a natureza do produto a ser transportado.  O sentido de transporte do fluído, quando necessário, será indicado por meio de seta pintada em cor de contraste sobre a cor básica da tubulação.  Para fins de segurança, os depósitos ou tanques fixos que armazenem fluídos deverão ser identificados pelo mesmo sistema de cores que as canalizações.

Sempre que possível recomendamos que durante a elaboração do programa sejam previstas ações de benchmarking visando conhecer experiências de organizações que já adotam de forma padronizada as cores como ferramenta para a prevenção de acidentes. Tais visitas e comparações na maioria das vezes trazem muitas informações e, via de regra, implica em economia no planejamento e execução. 

Vejamos abaixo as cores e suas principais utilizações:  

Vermelho

Utilização - Para distinguir e indicar equipamentos e aparelhos de proteção e combate a incêndio.  Usada excepcionalmente com sentido de advertência de perigo nas luzes a serem colocadas em barricadas, tapumes de construções e quaisquer outras obstruções temporárias; em botões interruptores de circuitos elétricos para paradas de emergência.

Observação - Não deve ser usado na indústria para assinalar perigo, por ser de pouca visibilidade em comparação com o amarelo (de alta visibilidade) e o alaranjado (que significa Alerta).

Amarelo

Utilização - O amarelo deverá ser empregado para indicar Cuidado.
Usado via de regra para sinalizar locais onde as pessoas possam bater contra, tropeçar, etc. ou anda em equipamentos que se desloquem como os  veículos industriais. Em canalizações, deve-se utilizar o amarelo para identificar gases não liquefeitos.

Observação - Listras (verticais ou inclinadas) e quadrados pretos serão usados sobre o amarelo quando houver necessidade de melhorar a visibilidade da sinalização.

Branco

Utilização - Passarelas e corredores de circulação, por meio de faixas, direção e circulação, localização e coletores de resíduos; localização de bebedouros;  áreas em torno dos equipamentos de socorro de urgência, de combate a incêndio ou outros equipamentos de emergência; áreas destinadas à armazenagem e- zonas de segurança.

Preto

Utilização - O preto será empregado para indicar as canalizações de inflamáveis e combustíveis de alta viscosidade (ex: óleo lubrificante, asfalto, óleo combustível, alcatrão, piche etc.).

Verde

Utilização - O verde é a cor da SEGURANÇA e deve ser utilizado para canalizações de água; caixas de equipamento de socorro de urgência;  caixas contendo máscaras contra gases;   - chuveiros de segurança;  macas; lava-olhos; - dispositivos de segurança;  mangueiras de oxigênio (solda oxiacetilênica) etc.

Laranja

Utilização - Deve ser empregado para canalizações contendo ácidos; partes móveis de máquinas e equipamentos; partes internas das guardas de máquinas que possam ser removidas ou abertas;  faces internas de caixas protetoras de dispositivos elétricos; faces externas de polias e engrenagens; botões de arranque de segurança; dispositivos de corte, borda de serras, prensas.

Púrpura

Utilização - Usada para indicar os perigos provenientes das radiações eletromagnéticas penetrantes de partículas nucleares.

Cinza

Utilização - Cinza claro - usado para identificar canalizações em vácuo; Cinza escuro -  usado para identificar eletrodutos.

 
 
VOLTAR PARA O ÍNDICE DE COLUNAS
 
Publicidade
 
 
 
 
 
Colunista
Cosmo Palasio
 
 
  Consultor e palestrante especialista em Segurança no Trabalho
 
 
  13
 
  01
 
  04
 
  Veja o Perfil Completo  
  Outros Artigos de sua autoria  
  Adicionar o Colunista aos Favoritos  
  Escreva para este Colunista  
  Website do Colunista  
  Citações do Colunista  
  Produtos do Colunista  






Avantta Consulting Pozati Comunicação